O atual momento econômico nacional, em que se projeta a taxa Selic com apenas um dígito faz com que investidores busquem diversificar suas aplicações, visando maior rentabilidade. Neste artigo trataremos sobre um dos investimentos mais demandados por pessoas físicas na busca pela melhor alocação de seus recursos.

Fundos de Investimentos Imobiliários (FII)

Os FII são condomínios de investidores, administrados por instituições financeiras e fiscalizados pela CVM. Tem por objetivo aplicar recursos em negócios com base imobiliária, como desenvolvimento de empreendimentos imobiliários, imóveis já prontos ou títulos financeiros imobiliários, como CRI, LH, LCI ou cotas de fundos imobiliários já constituídos.

Por serem fundos fechados, suas quotas não admitem resgate, fazendo com que sua negociação ocorra através da negociação na Bovespa, no ambiente Bolsa ou Balcão Organizado, através de ordens.  Nestes ambientes, o modo de negociar é exatamente igual ao das ações, dentro dos mesmos horários de pregão.

Dentre as vantagens de aplicar em FII, destacamos o menor custo comparativamente à aquisição direta em imóveis, uma vez que os custos de aquisição e manutenção dos imóveis são divididos por todos os cotistas. Para se ter uma ideia, gastos com ITBI, taxas de certidões, reconhecimentos de firma, cópia de documentos, escritura, registro, comissão de imobiliária, entre outros, normalmente ficam em torno de 5% do valor do imóvel.

A possibilidade de diversificação é outro fator importante a ser levado em consideração, visto que o investidor pode compor sua carteira com quotas de vários Fundos, atuantes em segmentos diversos, como shoppings, indústria, logística, hotéis, imóveis comerciais ou residenciais, etc.

O risco de inadimplência ou vacância também fica pulverizado entre os diferentes locatários. Além disso, o investidor tem a oportunidade de acessar empreendimentos em diversas localidades e mitigar fatores regionais.

Por serem negociados em bolsa, os FIIs apresentam maior liquidez, possibilitando assim ao investidor reaver seus recursos a qualquer momento. Além da comodidade de não ter preocupações de administração dos imóveis, com cobrança e renovação de contratos, manutenção, recolhimento de impostos, entre outras.

Os Fundos Imobiliários brasileiros, bem como na maioria dos países em que este instrumento é utilizado, uma estrutura tributária incentivada, dada a importância do setor imobiliário para a economia. No mercado local, são isentos de imposto de renda investidores pessoa física que possuem menos de 10% das cotas do Fundo, porém há incidência de tributação de 20% sobre o ganho de capital.

Apesar das vantagens da aplicação de recursos em FIIs citadas acima, o cenário econômico deve ser considerado na escolha do segmento de aporte, visto que elevados níveis de vacância e inadimplência podem afetar tanto a distribuição de rendimentos como o desempenho das cotas do fundo em Bolsa.
No próximo artigo faremos uma comparação na rentabilidade que pode ser obtida na aplicação em FII e na aquisição de um imóvel.

Pin It on Pinterest

Share This