23h12 de uma sexta-feira, recebo uma notificação do WhatsApp. Estava incluído em um grupo chamado “Investidores”, no qual logo reconheço seus participantes, três amigos de longa data. Meu pensamento, confesso, foi de que as rodadas de chope já tinham passado do ponto, justo no dia em que não pude comparecer. Logo vieram as primeiras mensagens: “Queremos investir. Onde devemos aplicar?”, “A bolsa subiu bem este ano, está feliz? Vale a pena?”, “LCI é melhor que CDB?”. Algumas amenidades a parte, perguntei em que eles investiam atualmente e as respostas foram as seguintes: “Poupança, mas tenho ouvido falar muito do Tesouro Direto”, “CDB e Fundos do Bradesco”, “Em nada, acabei de casar. Mas o Temer disse que vai liberar o FGTS das contas inativas!”.

O motivo para esta introdução é que, através deste espaço, gostaria de replicar o desenrolar desta história, que ainda está sendo escrita, mas que tem sido bem sucedida. Como propus aos meus amigos, publicarei uma série de artigos, que da mesma forma denominarei “Mensagens aos amigos investidores”. Naquela sexta-feira vi a necessidade deste pequeno grupo, que acredito ser comum a grande maioria das pessoas: compreender seus objetivos ao investir, conhecer os termos utilizados pelo mercado e assim aplicar seus recursos de forma consciente, aumentando suas chances de obter melhores rentabilidades.

Meu objetivo será trazer os principais conceitos, de forma objetiva e didática, para você tomar suas decisões sobre onde investir seu suado dinheiro. Espero colaborar para que você possa ler relatórios de recomendação, entender os indicadores de mercado e conversar com gerentes de banco ou assessores de investimentos sem se sentir passado para trás. Foi assim com meus amigos e espero que assim seja por aqui.

Enfim, vamos ao que interessa. As próximas “mensagens” serão mais objetivas, sem tanta história. Neste texto falaremos de algo mais ameno, mas muito importante: sua definição de perfil.

MENSAGEM Nº 01 – CONHEÇA A SI MESMO

Quando alguém está interessado em começar a investir, o primeiro passo indicado, em geral, é que este saiba qual seu perfil. Isto é comum no mercado, pois é de suma importância para se analisar a adequação das aplicações às suas necessidades e, a partir daí, optar pela mais conveniente ao seu planejamento financeiro.

Devemos nos atentar para o fato de que determinar o perfil de cada indivíduo é extremamente difícil, pois este é uma conjunção complexa de fatores subjetivos e psicológicos. Corre-se o risco de tentar quantificar algo instável, que pode sofrer diversas influências, como é o comportamento humano.

Um importante fator na determinação de seu perfil é o conhecimento de qual sua tolerância ao risco. No jargão financeiro, a palavra “risco” está sempre associada à probabilidade de ganhos ou perdas acima ou abaixo da média de mercado. O investidor deve estar atento a essa diferença, porque na linguagem cotidiana a palavra “risco” muitas vezes é usada para indicar a possibilidade de perda/diminuição ou manutenção do estado atual, excluindo a possibilidade de ganho/ retorno/crescimento. Portanto, sua tolerância ao risco “mede” o grau de incerteza da rentabilidade (retorno) de um investimento que você está disposto a enfrentar. Um exemplo: afirmar que um investimento é de alto risco significa que temos pouca chance de prever com precisão a rentabilidade deste investimento. Em contrapartida, esse investimento oferece possibilidade de retorno superior a um investimento conservador.

Sabemos da existência de diversas ferramentas e questionários que tentam mensurar este perfil, mas em geral estas ferramentas visam atender apenas as determinações regulamentares e da área de compliance (responsável pelo cumprimento das leis, regras e regulamentos aplicáveis, tendo uma também a função de monitoramento de atividades, prevenção de conflitos de interesses, etc). Assim, fica a dúvida de como determinar corretamente o seu perfil. Esses conjunto de “mensagens” também deverá lhe ajudar a determinar seu perfil,  tanto através da ampliação de seus conhecimentos como por meio de questões sobre seus planos e objetivos.

FATORES INICIAIS A SEREM AVALIADOS

Alguns fatores devem ser analisados antes de investir, que também servem para conhecer seu perfil:

  • Valor: a parcela que será destinada aos investimentos deve ser cuidadosamente estudada, equilibrando gastos presentes e futuros. Verifique quanto sobra de seu orçamento para investir. Se não há sobra, veja o que é possível reduzir de despesas para se programar para realizar os investimentos. Em relação à diversificação, esta pode ser uma alternativa bastante atraente no intuito de minimizar os riscos. Porém, uma diversificação muito grande pode reduzir os ganhos, pois algumas alternativas fazem com que o custo aumente de acordo com o número e/ou tipos de ativos mantidos.
  • Prazo: o horizonte de investimento é decisivo para definir a opção mais apropriada, pois o tempo de aplicação influencia na rentabilidade e até na tributação. Em relação a isso, você deve se questionar sobre quando precisará do dinheiro (Vai trocar de carro? Quando? Vai fazer uma reforma? Existe alguma despesa que ocorrerá e que vai exigir que você necessite deste dinheiro aplicado no curto ou médio prazo?, etc). Em renda variável, como a bolsa, deve-se saber o período em que poderá manter o dinheiro aplicado para que, em momentos de necessidade de capital, não tenha que realizar eventuais prejuízos. Na renda fixa, como por exemplo, ao investir em CDB ou LCI, quanto maior o prazo, em geral maior é a taxa de juros recebida.
  • Retorno: traçar metas realistas e estabelecer limites de perdas e ganhos é de vital importância e pode fazer a diferença. Uma advertência: ser otimista é importante, mas nunca deixe a esperança triunfar sobre a experiência. Lembre-se que você é investidor e não torcedor. Estabeleça, sempre, metas. Para aplicações em renda variável, traçar e obedecer as metas são fatores essenciais para seus sucesso neste segmento.

Esse exercício de autoconhecimento pode ajudar nas escolhas dos investimentos mais adequados aos seus objetivos, aumentando as chances de obter melhores resultados. Vale destacar que seus objetivos não são imutáveis, pois tanto os planos quanto o contexto (político, econômico etc.) podem se alterar com o passar do tempo, o que pode levar a alterações em seu perfil de investimentos.

Definidos seu perfil e objetivos, você deve conhecer as aplicações disponíveis em nosso mercado. Porém, isto será objeto para outras “mensagens”. Conforme ressaltei para meus amigos, nossa jornada de conhecimento está só começando. Com um pouco de paciência e dedicação, você também estará mais preparado para tomar suas decisões de investimentos.

Até a próxima mensagem!

 

Escrito por: Equipe Invest Office

Pin It on Pinterest

Share This